Acupuntura por Sons e Cores  •
Medicina Tradicional Chinesa

Psicologia  •
Sexualidade  •
Medo de Dirigir  •
Medo, Pânico e Fobia  •

Renascimento  •

Musicoterapia  •

Trabalhos em Grupo  •
Oficina do Cotidiano  •
Oficina da Voz
  •
Meditações  •
Workshops  •

Onde Atendemos / Contatos  •
Textos e Artigos
Agenda  •
Vídeos 
Quem Somos •

PÁGINA INICIAL 

Textos e Artigos

A idéia é compartilharmos textos e trechos que levem a reflexão sobre a vida. Respire, relaxe e desfrute deste espaço!

Caso queira mais alguma informação, por favor, nos procure. (para isso clique aqui)


Tememos nosso brilho


“Nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados.
Nosso medo mais profundo é o de sermos poderosos além da medida.
É nossa luz, não nossa escuridão, o que mais nos assusta.
Nós nos perguntamos: quem sou eu para brilhar?
Nascemos para manifestar essa luz que está dentro de nós.
E à medida que deixamos nossa luz brilhar, inconscientemente damos permissão para os outros fazerem o mesmo. À medida que nos libertamos dos nossos medos, nossa presença libera outros.” (Nelson Mandela
- saiba sobre ele)

do livro "Sobre a brevidade da vida"


Invasão ... desperdício do tempo
“Nenhum homem sábio deixará de se espantar com a cegueira do espírito humano. Ninguém permite que sua propriedade seja invadida, e, havendo discórdia quanto aos limites, por menor que seja, os homens pegam em pedras e armas. No entanto, permitem que outros invadam suas vidas de tal modo que eles próprios conduzem seus invasores a isso. Não se encontra ninguém que queira dividir sua riqueza, mas a vida é distribuída entre muito. São econômicos na preservação de seu patrimônio, mas desperdiçam o tempo, a única coisa que justificaria a avareza.

Agradar-me-ia questionar qualquer um dentre os mais velhos:
Vemos que já atingiste o fim da vida, tens cem ou mais anos. Vamos, faz o cálculo da tua existência. Conta quanto deste tempo foi tirado por um credor, uma amante, pelo poder, por um cliente. Quanto tempo foi tirado pelas brigas conjugais e por aquelas com escravos, pelo dever das idas e vindas pela cidade. Acrescenta, ainda, as doenças causadas por nossas próprias mãos e também todo tempo desperdiçado. Verás que tens menos anos do que contas. Perscruta a tua memória: quando atingiste um objetivo? Quantas vezes o dia transcorreu como o planejado? Quando usaste teu tempo contigo mesmo? Quando mantiveste uma boa aparência, o espírito tranqüilo? Quantas obras fizeste para ti com um tempo tão longo? Quantos na esbanjaram a tua vida sem que notasses o que estavas perdendo? O quanto de tua existência não foi retirado pelos sofrimentos sem necessidade, tolos contentamentos, paixões ávidas, conversas inúteis, e quão pouco te restou do que era teu? Compreenderás que morres cedo.
O que está em causa então? Viveste como se fosses viver para sempre, nunca te ocorreu a tua fragilidade. Não te das conta de quanto tempo já transcorreu. Como se fosse pleno e abundante, o desperdiças e, nesse ínterim, o tempo que dedicas a alguém ou a alguma coisa talvez seja o teu último dia...”

Vale ainda transcrever a nota de rodapé:
“Sêneca adverte contra aquela correria desvairada a que se entrega a maioria dos homens ... reiniciando sem cessar o mesmo movimento vão. Ora, essa inútil agitação não conduz senão ao esgotamento das forças físicas e à frustração mental...”

Ao que sabe o valor do tempo
... “ Cada um se lança à vida, sofrendo da ânsia do futuro e do tédio do presente. Mas aquele ... que organiza todos os dias como se fosse o último, não deseja, nem teme o amanhã.” Sêneca

Expectativa
“A expectativa é o maior impedimento para viver: leva-nos para o amanhã e faz com que se perca o presente.”

(Sêneca
- saiba mais sobre ele)



Respiração - Pausa para respirar -
Artigo da revista Veja São Paulo de 09/12/2009